sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Ganhar eleição, não ganha, mas censurar é com ele: a nova investida de Aécio sobre o Twitter




Link permanente da imagem incorporada

Aécio volta a atacar numa área em que é especialista: a intimidação. A Justiça de São Paulo determinou a quebra dos sigilos cadastrais de 20 usuários do Twitter que teriam vinculado seu nome a crimes como o uso de drogas.
Com a decisão, seus advogados poderão processar cada um deles. É o desdobramento de um pedido feito ainda durante a campanha, quando requisitou-se o cadastro de 66 perfis da rede, entre eles o DCM.

A equipe jurídica do candidato acabou chegando, num primeiro momento, a 55. Foi então determinado que o Twitter repassasse os dados para o tribunal, com a ressalva de que nada fosse entregue aos advogados de Aécio até a análise do conteúdo. Trinta e cinco foram isentados pelo magistrado. As duas dezenas de “acusados” estão aqui.
Em setembro, os representes do Twitter disseram na defesa: “Admitir esse tipo de medida corresponde a transformar o Poder Judiciário em instrumento de perseguição de cidadãos, dando margem ao surgimento de um Estado policialesco, que desconsidera as garantias fundamentais dos cidadãos de forma injustificável”.
Aécio reclama de uma rede de “caluniadores” e “detratores”. Muitos seriam “robôs”, ou seja, perfis falsos criados para atacá-lo. Não por coincidência, foi um expediente bastante utilizado em sua campanha. Um desses “robôs”, para citar apenas um caso, fez uma denúncia fajuta de direitos autorais obrigando o Youtube a retirar do ar o vídeo do “Helicoca”, do DCM.
Aécio já acionou o Google, o Yahoo! e o Bing para tentar impedir resultados de buscas que o ligassem a delitos como consumo de cocaína. A Justiça negou o pedido. Seus advogados também entraram com uma ação contra o Facebook para extinguir perfis que o satirizavam, como o Aécio Boladasso e o Aécio Boladão.

aecio twitter

Ele tem especial apreço ao termo “submundo da Internet”. Em sua visão muito particular das coisas, tudo deveria estar “combinado” com a mídia — expressão que usou numa reportagem de TV que lhe foi desfavorável, história presente nodocumentário “Liberdade, Essa Palavra”.
É a maneira como sempre atuou em Minas Gerais. Há dias, o editor de Cultura do Estado de Minas, João Cunha, pediu demissão após ter sido proibido de escrever sobre política. Seu último artigo era a respeito da tentativa de “inviabilizar a sequência do processo democrático”.
“A oposição, por sua vez – e o senador Aécio Neves, candidato derrotado como seu nome de maior destaque –, tem uma tarefa a cumprir: dar um passo à frente no jogo político, com a grandeza que o momento requer. O que ainda está devendo”, escreveu. Um abraço. (No dia seguinte à vitória de Dilma, a manchete principal do site do EM era sobre a febre chikungunya. O Granma perde).
Se ele, perdedor, está empenhado nesse interminável tour de force jurídico para tentar calar aqueles que lhe desagradam, é de se imaginar o que não estaria fazendo se tivesse vencido a corrida pela presidência. E isso é apenas o começo para o nosso Kim Jong-un das Alterosas.
Fonte: http://www.diariodocentrodomundo.com.br/ganhar-eleicao-ele-nao-ganha-mas-censurar-e-com-ele-a-nova-investida-de-aecio-sobre-o-twitter/
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...